quinta-feira, 30 de Setembro de 2010

Cinco anos para consulta

"Demoraram cinco anos para me chamar e trocaram-me de serviço", refere Manuel Vaz, que tem travado uma longa luta com a burocracia durante todo este tempo. "Queixei-me nos serviços de saúde e escrevi a várias entidades, sem sucesso. Foram-me dando várias desculpas e deixando arrastar o processo", refere Manuel Vaz, que lamenta o agudizar da sua doença.

"Estou com graves problemas na tiróide, o que se reflecte em várias patologias, como disfunção eréctil, que me está a atormentar."

Um erro para toda a vida

Às vezes é melhor não acreditar em tudo o que ouvimos na rádio. Há dez anos, David Winkelman ouviu um DJ da rádio 93 Rock oferecer um avultado prémio a quem tatuasse o logotipo da estação na testa.


Winkelman saiu a correr rumo ao salão de tatuagem e já não ouviu o DJ dizer que se tratava de uma brincadeira. Resultado: ficou marcado para toda a vida. Esta semana foi preso (desconhece-se o motivo) em Davenport, no estado norte--americano do Iowa, e a prova do erro lá está, bem visível, na fotografia tirada pela polícia.

sexta-feira, 24 de Setembro de 2010

A Ivone e o Camilo é que sabiam.

Ontem, ao assistir às declarações patéticas e desculpas esfarrapadas de vários Ministros que preferem apontar baterias ao PSD (partido que lhes deu o soro do défice quando andavam por aí moribundos) a tratar a despesa pública como se esta fosse um problema e não uma pequena comichão na zona da virilha, lembrei-me várias vezes deste vídeo. Fui procurá-lo e aqui está ele. Já não há muito a dizer. Está tudo dito. E tudo escrito. Não são Governo? Então porque não governam?


Retirado de http://aeiou.expresso.pt

Colectivo de juízes aposta tudo na credibilidade das vítimas da Casa Pia

Os depoimentos de pelo menos nove jovens que frequentaram a Casa Pia merecem credibilidade total e os juízes não hesitam em dizê-lo. E em assumir serem suficientes para condenar Carlos Cruz e outros arguidos, a par das palavras de Silvino e outra prova indirecta. No acórdão ontem, segunda-feira, entregue aos arguidos, após dez dias de espera, o colectivo de juízes presidido por Ana Peres, faz, por exemplo, uma exaustiva descrição da presumível utilização de duas carrinhas de nove lugares da Casa Pia: uma Mercedes Vito e uma Renault Traffic.

Concluem que, ao contrário de outros funcionários, o motorista que ficou conhecido por "Bibi" utilizava aquelas viaturas a seu bel prazer, em especial aos sábados e domingos, transportando vários menores internados na instituição
Deste modo, era perfeitamente possível Silvino efectuar 400 quilómetros sem tal facto deixar rasto. E assim circular por cidades limítrofes a Lisboa ou, até, Elvas. São pormenores que, no entender dos juízes, dão consistência ao enredo de abusos sexuais e que ajudam a afastar a ideia, transmitida ao longo dos anos por arguidos e advogados, de que os ofendidos estariam mentir e que teria sido montada uma maquinação para incriminar aquelas figuras.

Foi neste contexto que ficou criada a convicção de veracidade dos depoimentos de nove testemunhas. Mas uma importantíssima peça do "puzzle" composto pelos magistrados foi a própria versão de Carlos Silvino, que confessou vários dos crimes, disse-se arrependido, pediu desculpa às vítimas e acusou os demais arguidos, incluindo Carlos Cruz.

Empresa do Estado tem 400 carros de luxo


As empresas do grupo Águas de Portugal têm uma frota de luxo para gestores e quadros intermédios. São 400 carros topo de gama pagos com dinheiros do Estado e só neste ano foram substituídos 34, avança o Correio da Manhã

Estas viaturas, em regime de aluguer operacional de veículo, destinam-se a uso pessoal e profissionais. Só o carro do presidente Pedro Serra custou aos cofres do Estado mais de 12 mil euros em 2009.

Duarte Lima lança suspeita sobre filha de Feteira

Duarte Lima apresentou uma petição às autoridades brasileiras, onde aponta o dedo à filha de Lúcio Thomé Feteira e pede investigação.

A petição apresentada pelos advogados de Duarte Lima, apontam Olímpia como a grande beneficiada pela morte de Rosalinda e dá destaque ao clima conflituoso entre ambas.

Duarte Lima disse que Olímpia perderia metade da herança se Rosalina estivesse viva e pediu para as autoridades brasileiras analisarem chamadas telefónicas, contas e videovigilância.

Rosalina transfere milhões de euros para contas de Duarte Lima antes de morrer

Rosalina Ribeiro, a ex-amante e secretária do milionário português Tomé Feteira, terá desviado mais de 28 milhões de euros para as contas de Duarte Lima ainda antes da sua morte. há provas de que na noite em que Rosalina foi assassinada, a sete de Dezembro de 2009, em Maricá no Rio de Janeiro, transferiu de contas no estrangeiro (Suíça, EUA e Inglaterra) cerca de 24 milhões de euros para contas do advogado Duarte Lima, o seu representante oficial.
O processo que decorreu no DIAP de Lisboa, interposto pela filha do empresário, Olímpia Feteira, detectou o primeiro rasto destas transferências para Duarte Lima (sete milhões de euros). No entanto, esse processo foi arquivado devido à morte de Rosalina. Porém, num extracto enviado por um banco na Suíça surgem várias transferências da secretária para Lima. Os restantes 17 milhões que Duarte Lima terá recebido nas suas contas constam de extractos de bancos nos Estado Unidos e de Inglaterra. Há ainda quatro milhões dos quais não há qualquer rasto.

Assassino recrutado onde Lima aterrou

A polícia brasileira acredita ter em mãos elementos que a vão conduzir ao assassino de Rosalina Ribeiro – executada com dois tiros na noite de 7 de Dezembro de 2009, numa estrada perto de Maricá, a 60 quilómetros do Rio de Janeiro. Este homem, que é a chave para chegar ao mandante do crime, terá sido recrutado em Belo Horizonte, na cidade onde o advogado da vítima, Duarte Lima, aterrou dois dias antes da morte da sua cliente.

Rosalina, 74 anos, disputava parte na herança do milionário Feteira, de quem fora secretária e amante. A sua morte está relacionada com os milhões envolvidos. Os investigadores seguiram pistas deixadas pelo homicida e tiveram em conta a execução: dois tiros – um na cabeça, outro no peito – é o método usado no Estado de Minas Gerais, não na zona do Rio.

Segundo a polícia, o advogado português esteve três vezes no Brasil em 2009 e sempre em Belo Horizonte. A 3 de Setembro do ano passado, Lima chegou a Belo Horizonte e partiu no dia 14 do mesmo mês. Em 21 de Novembro, regressou a Belo Horizonte e só deixou o país no dia 31. Na última viagem, Lima viajou para o Brasil a 5 de Dezembro e voltou a aterrar na capital mineira. Foi a partir dali que, num carro alugado do qual não se recorda, a 7 de Dezembro, fez mais de 400 quilómetros até ao Rio, onde se encontrou com Rosalina, à noite, perto da Praia do Flamengo. Duas horas depois, a portuguesa foi morta. Lima diz que esteve meia hora num café com a cliente e que a deixou em Maricá, com uma mulher loura, misteriosa, que ninguém conhece.

JUDICIÁRIA VAI CONDUZIR INTERROGATÓRIO

A carta rogatória da polícia brasileira com as 193 perguntas dirigidas a Duarte Lima, que chegou anteontem ao Ministério Público, ficou entregue à 13ª secção do DIAP de Lisboa, tendo sido já ontem remetida à Secção de Homicídios da Polícia Judiciária de Lisboa, cujos investigadores estão agora a analisar o seu conteúdo para interrogar o advogado português nos próximos dias. Duarte Lima será notificado para se apresentar nas instalações da rua Gomes Freire, onde deverá fazer-se acompanhar do seu advogado, Germano Marques da Silva.

NÃO SE RECORDA DO CARRO QUE DIZ TER ALUGADO

A polícia brasileira quer saber porque razão Duarte Lima foi três vezes ao Brasil em 2009. E, principalmente, todos os pormenores sobre a sua estadia, desde que aterrou em Belo Horizonte, Minas Gerais, até à deslocação ao Rio de Janeiro, no dia 7 de Dezembro, quando Rosalina Ribeiro foi assassinada. Entre outros pormenores sobre a noite do crime, os investigadores querem saber tudo sobre o carro que Lima diz ter alugado no Brasil e onde o alugou, sobre os cartões de crédito que utilizou e sobre os telemóveis com os quais comunicou durante esses dias.

Sobrinho de Godinho quis destruir provas


Mulher de arguido diz que foi contactada pela Refer, que assegurava pagamento de advogado. Godinho disse a co-arguido para destruir documentos.

Duarte Lima não declarou conta na Suíça

Entre 1999 e 2002, o histórico do PSD Duarte Lima auferiu oficialmente 394 mil euros. Na sua declaração de património não há referência a 5,2 milhões de euros que, em 2001, foram transferidos para as suas contas pela cliente milionária assassinada no Brasil.

De acordo com documentos consultados pelo JN no Tribunal Constitucional, o ex-líder parlamentar do PSD e advogado agora alvo das atenções da Polícia brasileira por causa da morte de Rosalina Ribeiro, a 7 de Dezembro do ano passado, declarou ter obtido, durante quatro anos, rendimentos de 347 mil euros em trabalho independente e muito perto de 47 mil euros em trabalho dependente, quando era deputado na Assembleia da República.

Conforme o JN já noticiou, foi em 2001 que pelo menos uma conta de Duarte Lima foi o destino - ou pelo menos ponto de passagem - de avultadas transferências de dinheiro oriundo de uma conta, na Suíça, em nome do então já falecido magnata Lúcio Thomé Feiteira e da secretária e companheira de 30 anos, Rosalina Ribeiro. Não se sabe a que título foram feitas as transferências: se honorários ou eventual via de passagem para outro destino. Sobre este pormenor, Duarte Lima também tem mantido silêncio. Apenas se pronuncia sobre o caso da morte, cuja investigação decorre no Brasil.

Segundo Olímpia Feteira, filha de Lúcio, a conta de Duarte Lima estaria também sediada no estrangeiro, como se apurou no âmbito do processo movido por Olímpia contra Rosalina, por burla e abuso de confiança, que acabou arquivado.

"Tivemos conhecimento das transferências em Agosto do ano passado quando chegaram da Suíça as respostas a cartas rogatórias sobre as referidas contas", disse Olímpia ao JN. A conta de Duarte Lima, acrescentou, "era de um banco suíço", cujo nome a herdeira considerou ser inoportuno revelar neste momento.

Certo é que, de acordo com a declaração de património e rendimento de titulares de cargo político, referente ao período de 1999 a 2002, Duarte Lima não fez referência à existência de qualquer conta, em seu nome, na Suíça. Também não são referidas contas a prazo ou aplicações financeiras.

Mas é declarada a propriedade de três prédios urbanos: um em Miranda do Douro, distrito de Bragança (com empréstimo de 7500 euros do Montepio Geral) e duas fracções em Lisboa, na Avenida Visconde Valmor, com empréstimos de 200 mil euros do BIC e 50 mil euros do Banco Santander.

No que se refere à última declaração apresentada, respeitante ao período entre 2005 e 2009, Duarte Lima referiu ter ganho 232 mil euros em trabalho dependente. Não apontou rendimentos como trabalhador independente - advocacia eventualmente.

Já quanto a poupanças, a situação parece ter melhorado relativamente a 2002: declarou ter um Plano Poupança Reforma no Banco Espírito Santo, desde 2007, no valor de 207 mil euros.

quinta-feira, 23 de Setembro de 2010

Super Dragões assaltam e vandalizam aeroporto

A PSP estava no aeroporto Sá Carneiro, no Porto, terça-feira à tarde, à espera dos membros da claque dos Super Dragões que vinham da Madeira. Tudo partiu de uma denúncia da PSP Madeira para o continente, depois de a claque ter assaltado lojas do aeroporto do Funchal, avança o Correio da Manhã

A PSP esperava a claque do FC Porto com a descrição dos membros envolvidos nos incidentes e a listagem de objectos roubados, o que desencadeou uma acção conjunta entre as congéneres da Madeira e continente, escreve o CM.

Os objectos, porém, foram encontrados abandonados no interior do avião. Os indivíduos que correspondiam à descrição feita pelos lojistas madeirenses foram identificados e tiveram as bagagens revistadas. Espera-se agora que o sistema de videovigilância do aeroporto do Funchal possa ajudar no desenvolvimento do processo, como explica o CM.

Os lojistas referem ainda que os membros da claque arremessaram entre si cadeiras, mesas e outros objectos.


Polícias manifestam-se no Terreiro do Paço

Sete sindicatos da PSP iniciam hoje «por tempo indeterminado» uma concentração em frente ao Ministério da Administração Interna para exigir o descongelamento das promoções que os polícias esperam desde Maio de 2009.

A iniciativa da concentração no Terreiro do Paço, em Lisboa, foi da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP), merecendo depois a adesão de mais seis sindicatos. Assim, sete dos nove sindicatos da PSP anunciaram que participarão no protesto.

O presidente da ASPP, Paulo Rodrigues, disse à agência Lusa que os polícias só abandonarão o local da concentração quando o Ministério da Administração Interna (MAI) «garantir a disponibilidade da verba para a efectivação das promoções em todas as categorias profissionais e para a colocação nas novas posições remuneratórias».

Paulo Rodrigues adiantou que o protesto pode durar «horas, dias e até semanas».

Em causa está o desbloqueamento de 3,1 milhões de euros, verba necessária para pagar as promoções aos mais de 1500 polícias, dos quais 800 são agentes que fizeram um concurso para subirem de posto e ficaram aprovados.

Desde Maio de 2009 que os polícias aguardam pelas promoções.


Nota de bloguista: isto é uma vergonha. eu acho é que eles querem mal tratar a policia para que eles não se interessem em desempenhar uma boa função e assim os corruptos possam andar á vontade a praticar crimes de colarinho branco!

Enfermeira deixa cair bebé após parto

Uma enfermeira do hospital Cuf Descobertas deixou cair um recém-nascido após o parto, tendo causado um traumatismo craniano no bebé, avança o Correio da Manhã

A direcção do hospital garante que o bebé já teve alta e que está bem. Porém, os utentes desta unidade privada ficaram revoltados quando souberam do caso, explica o Correio da Manhã.

A direcção do hospital explica que o bebé recebeu toda a assistência logo após o acidente e que esta ocorrência O hospital não esclareceu se a enfermeira será alvo de processo disciplinar.


Nota de bloguista: eu acho que isto revela muita incompetência!!! não pode acontecer.

Dicionário com palavrões foi "lapso"

As escolas que recomendaram a compra de um dicionário com palavrões aos alunos do 1.º ciclo admitem ter-se tratado de um "lapso" antes ter sugerido o Dicionário Básico de Língua Portuguesa cor de laranja, que a editora garante ter elaborado "especificamente" para o 1.° e 2.º ciclos do básico. Apesar disso, as crianças dos seis aos dez anos vão continuar a usá-lo.


Em causa está a consulta por crianças de palavras como "fo..." (acto sexual), "ca..." (órgão sexual masculino) ou "co..." (órgão sexual feminino). Este dicionário é recomendado pela editora apenas a partir do 3.º ciclo.

A responsável Maria Fernanda Oliveira, directora do Agrupamento adianta que os dicionários com palavrões não vão ser retirados às crianças.


Nota de bloguista: mais uma incompetência de alguma velhinha que trabalha para o Estado.

Carlos Cruz limpeza de contas



O CM publicou, a 18 de Setembro, que Cruz limpou várias contas após ter sido preso, e no dia 19 revelou que bens e empresas de Cruz são controlados por uma offshore. No comunicado, Cruz não faz uma única menção a esta empresa nem à sua ligação a ela. Antes de publicar os textos, o CM contactou Cruz, por telefone e e-mail, mas o antigo apresentador optou por não responder.

Idosos mais abandonados e maltratados


Abandono de idosos

A Linha do Cidadão Idoso já recebeu este ano mais denúncias do que em todo o ano passado e 79 dessas queixas são por abandono. Nesta altura há várias dezenas idosos que receberam alta clínica, mas continuam nos hospitais porque ninguém os vai buscar.


Nota de bloguista: enquanto vão podendo trabalhar e serem úteis à família não há problemas mas quando precisam de apoio, a família já não está lá. O egoismo e a crueldade humanos são hoje como eram à séculos atrás!

sexta-feira, 17 de Setembro de 2010

MP e PJ fazem buscas no Porto de Lisboa

O Ministério Público e a Polícia Judiciária estão desde esta manhã a fazer buscas na sede da APL (Administração do Porto de Lisboa) e do Instituto de Portos e Transportes Marítimos (IPTM)

Segundo o SOL apurou, as diligências estão a ser realizadas no âmbito de uma investigação ao contrato de concessão da exploração do terminal de contentores de Alcântara, celebrado em 2008 entre a APL e a Liscont, empresa do Grupo Mota-Engil.

A investigação surge na sequência de uma auditoria ao contrato realizada no ano passado pelo Tribunal de Contas (TC). O contrato atribuiu à Liscont a prorrogação por 27 anos, sem concurso público, da exploração do terminal de contentores. O TC concluiu que o contrato não defende o interesse público.

Entretanto, o Ministério Público no Tribunal Administrativo de Lisboa entrou com uma acção, requerendo a anulação do contrato e os partidos da oposição na Assembleia da República revogaram o decreto-lei do Governo que autorizava a prorrogação da concessão sem o obrigatório concurso público. Na sequência desta decisão e por determinação do Ministério das Obras Públicas, a APL iniciou em Agosto negociações com a Liscont com vista à renegociação do contrato nos termos fixados pelo Parlamento.

Segundo o Diário de Notícias, decorriam também esta tarde buscas na Liscont. O SOL tentou contactar o gabinete de imprensa do grupo Mota-Engil, mas não obteve resposta.

Nota de bloguista: esta já foi descoberta... soma mais uma no saco PS...

Do Portugal Profundo vs Paulo Pedroso

Caso Paulo Pedroso - Reacções (3)

Violado e Abusado Sexualmente na Casa Pia



Nota de bloguista: a lei foi feita com o sentido de mandar a mensagem para, os violados mais antigos, não virem a público chamar pela justiça que também deveria ser deles. só de ouvirmos estas histórias percebemos quantas pessoas VIVERAM aquele inferno promíscuo.

Casa Pia, A Grande Vergonha



Nota de bloguista: as cadeiras que ficaram vazias... a quem pertencerão???

Casa Pia - alegações "finais" (TVI)



Nota de bloguista: até um míope-estrábico com óculos "fundo garrafa" conseguia reconhecer alguém numa foto ainda pior do que a que foi apresentada. má desculpa, má desculpa...

Juiz Rui Teixeira tem carreira estagnada



Nota de bloguista: há juízes bons, há juízes maus e há juízes PS. qual será Rui Teixeira? a avaliar pela nota já se sabe a resposta: dos bons é claro!

Ex companheira de Francisco Leitão dá entrevista

Ex-mulher de Francisco Leitão diz ter ficado chocada com as recentes notícias

Hábitos do Suspeito de triplo homicídio

Bebé salvo numa auto-estrada na Turquia





Um bebé gatinhou até à faixa de rodagem de uma auto-estrada, na Turquia, depois de a sua mãe o ter deixado a dormir à sombra de umas árvores. Um automobilista parou e salvou a criança.

Mãe filma filha de dois anos a fumar droga



vídeo com uma criança, de apenas dois anos, a fumar o que parece ser cannabis está a chocar os Estados Unidos e não só. A notícia é avançada pelo jornal «Dailymail».

Nas imagens percebe-se que a mãe da criança, Jessica Gamble, está a filmar com o telemóvel o acto da menina e a rir. A progenitora foi, entretanto, acusada de fornecer droga à filha e vai aguardar julgamento em prisão preventiva.

Segundo a notícia do «Dailymail», a forma como a criança fuma mostra conhecimento do uso de cigarros. Se condenada, a mãe da menina pode apanhar onze anos e meio de prisão.

Ex-administradores da PT recebem 1,8 milhões

Relatório do primeiro semestre da operadora revela o valor da indemnização paga a Rui Pedro Soares e a Soares Carneiro

Rui Pedro Soares e Fernando Soares Carneiro, ex-administradores da Portugal Telecom (PT), que se demitiram na sequência do seu envolvimento no processo "Face Oculta", receberam quase sete vezes mais de indemnização do que Armando Vara, arguido do mesmo processo, quando renunciou ao cargo de vice-presidente do BCP.

De acordo com o relatório e contas da PT relativo ao primeiro semestre deste ano, a empresa pagou 1.797.544 euros aos dois administradores, que se demitiram dos cargos em Fevereiro, após publicação de transcrições das escutas do processo "Face Oculta" pelo semanário Sol, tendo como pano de fundo um plano de controlo dos media por parte do Governo.

Casa Pia: Cruz e Mota com crime provado

Segundo o Acórdão do processo Casa Pia, Carlos Cruz e o seu assistente Carlos Mota terão cometido crimes de abusos sexuais entre 1996 e 1997. Segundo os juízes este facto foi dado como provado, mas visto o crime já ter prescrito nenhum foi condenado.
Segundo “Pedro”, uma das vítimas, o ex-apresentador e o seu assistente levaram-no num Mercedes para a casa em Cascais, facto que os juízes consideraram ser credível. No entanto, está explicado no processo, Carlos Cruz tinha um BMW quando rebentou o escândalo.

Manuel Abrantes deu «proteção» Bibi

Os juízes do processo Casa Pia concluíram que o ex-provedor adjunto Manuel Abrantes protegeu o ex-motorista da instituição Carlos Silvino, que teve liberdade e impunidade para praticar abusos sexuais com menores casapianos, informa a Lusa.

No acórdão final, o colectivo considerou que existiu uma relação «diferente» entre os dois arguidos, ambos condenados por abuso sexual de menores, que levou a concluir que houve «uma situação de protecção» do ex-provedor ao seu funcionário.

Baseando-se nos relatos de várias testemunhas que trabalharam na Casa Pia, os juízes entenderam que, «objectivamente, havia uma especial relação entre o arguido Carlos Silvino e o arguido Manuel Abrantes e vice-versa», culminando numa «atitude de protecção» do ex-provedor em relação ao ex-motorista, que «tinha atitudes que demonstravam ascendente e poder face aos demais funcionários».

Além disso, os relatos das testemunhas indicam que, apesar da diferença de estatuto entre os dois, Carlos Silvino tratava às vezes Manuel Abrantes «com arrogância e desrespeito, pondo em causa publicamente a sua autoridade» sem recear «sanção ou recriminação».

Por seu lado, Carlos Silvino pôde «movimentar-se no interior da Casa Pia de Lisboa como quis», destacam os juízes. Manuel Abrantes demonstrou «tolerância» para com Carlos Silvino e permitiu-lhe «dispor, sem preocupação, do tempo durante o período de serviço ou dos veículos da Casa Pia» para abusar ou permitir que outros arguidos abusassem de alunos.

Casa Pia: “Estive com outro que não está na sala”

"Fui com o senhor Carlos Silvino tive com outra pessoa que não se encontra na sala... Paulo Pedroso."

Este depoimento é de ‘Diogo’, o jovem cujo testemunho foi classificado pelo tribunal "como muito relevante" e que consta do acórdão do processo Casa Pia, no capítulo da avaliação das declarações dos assistentes que afasta a tese de manipulação ou fantasia.

Para demonstrar a razão que levou o tribunal a acreditar no jovem, que esteve na origem da condenação de cinco arguidos, incluindo o crime imputado a Cruz em Elvas, os juízes transcreveram este depoimento de ‘Diogo, sublinhando as pausas e os silêncios da vítima para concluírem que a sua postura "não correspondia a uma atitude defensiva por estar a contar uma experiência que inventou". Pelo contrário, os juízes ficaram convictos de que a atitude do ex-casapiano, "com consistência e ressonância emocional", demonstra que estava a contar "uma coisa que viveu".

a juíza perguntou: "E essa vez que não disse ao tribunal no dia de ontem e eu perguntei--lhe quantas vezes é que o senhor tinha ido a Elvas por qualquer outra razão, essa vez que não disse ao tribunal com quem foi, o que é que foi fazer?" O jovem respondeu e explicou então que não referira à terceira deslocação porque envolvia uma pessoa que não estava no banco dos réus e, por isso, "pensava" que não era tão importante. "



Sai em liberdade após violar menor

O carpinteiro, acusado de violar uma menina de 13 anos em Amarante e que anteontem foi detido pela PJ do Porto, vai aguardar julgamento em liberdade. O violador, de 21 anos, foi ontem de manhã ouvido por um juiz de instrução do Tribunal de Amarante, tendo ficado sujeito a apresentações semanais na esquadra mais próxima.

Como o carpinteiro mora na mesma cidade que a menor, o magistrado proibiu-o ainda de contactar com aquela. O facto de o detido não ter antecedentes criminais e de não haver perigo de fuga levou a que o juiz não aplicasse uma medida de coacção mais grave.

Recorde-se que o violador foi apanhado pela Judiciária após, no dia 9 deste mês, ter levado a menina para sua casa e a ter violado duas vezes. O rapaz obrigou ainda a menina a dormir em sua casa, tendo exigido que se fosse embora sozinha na manhã do dia seguinte.

A menor chegou a casa lavada em lágrimas e contou aos pais o sofrimento pelo qual passou.

terça-feira, 14 de Setembro de 2010

ACORDÃO DA CASA PIA


ACORDÃO DA CASA PIA - CLIQUE AQUI.

Carlos Cruz com 16 telefones em três anos

segunda-feira, 13 de Setembro de 2010

Jorge Ritto aproveitou-se das "especiais condições de vulnerabilidade" das vítimas

O acórdão, de cerca de 1700 páginas, que condenou seis dos sete arguidos do processo, salienta que também quanto a Jorge Ritto "a dimensão global da ilicitude é intensa" e que o diplomata agiu com "dolo direto" na prática dos ilícitos.

A sentença frisa que a postura do embaixador - que durante o julgamento se remeteu ao silêncio - "não foi colaborante", revelando "ausência de arrependimento e/ou interiorização da sua conduta, o que não se confunde com a sua alegada homossexualiadade, precisamente por estarem em causa realidades bem diversas".

"À semelhança de vários outros arguidos, o tribunal destaca a favor de Jorge Ritto a sua integração social e económica, que, "de qualquer forma, não foi suficiente para justificar uma mudança da sua parte, mas antes facilitando a prática dos ilícitos por si cometidos", de acordo com o acórdão entregue hoje aos advogados e a que a agência Lusa teve acesso.

O tribunal teve ainda em conta a "falta de antecedentes criminais" do diplomata, mas sem perder de vista as "elevadas necessidades de prevenção" que este caso justifica e que ditariam a pena de seis anos e oito meses de prisão efetiva a que foi condenado.

Jorge Ritto foi condenado por três crimes de natureza sexual, depois de ter sido pronunciado por 11 crimes - nove de abuso sexual e dois de lenocínio.

O tribunal deu como provado que o embaixador conhecia o médico João Ferreira Dinis, tendo detetado três chamadas telefónicas da clínica do médico para o diplomata e uma chamada de Jorge Ritto para o consultório de Ferreira Dinis.

Igreja belga disponível para vítimas de padres pedófilos

A Igreja Católica belga quer mostrar a sua "máxima disponibilidade" para as vítimas de padres pedófilos, garantiu o seu líder, Andre Joseph Leonard, hoje, três dias após a publicação de um relatório sobre centenas de abusos.

"Uma atenção pessoal é a primeira coisa que nós podemos estabelecer, na sequência do relatório (...) queremos engajar-nos numa disponibilidade máxima às vítimas", disse o líder católico da Bélgica durante uma conferência de imprensa.

"Temos de ouvir as suas perguntas para restaurar sua dignidade e ajudar a curar o sofrimento pelo qual passaram", acrescentou.

"Dos erros do passado, queremos tirar as lições necessárias. Serão levadas em conta as reflexões e propostas do relatório, acrescentou, ao dizer ser "impossível" apresentar mais detalhes em como a Igreja tratará estas questões.

Lançado na sexta-feira, o relatório final da "Comissão para lidar com queixas de abuso sexual em relacionamento pastoral" - criada pela Igreja, mas dirigida por Peter Adriaenssens, um pedopsiquiatra independente - revelou que recebeu entre Janeiro e Junho de 2010, 475 queixas de vítimas de padres pedófilos e identificou 13 suicídios entre as suas vítimas.

sexta-feira, 10 de Setembro de 2010

Magnitude dos abusos impressiona a Bélgica

A magnitude dos abusos sexuais cometidos por religiosos na Bélgica, revelada num documento tornado hoje público e no qual se fala de mais de 450 vítimas em 25 anos, das quais 13 se suicidaram, está a comover o país.

O relatório foi elaborado por uma comissão incumbida de investigar a pedofilia na igreja católica belga, instituição onde a «lei do silêncio» imperou durante décadas, segundo o pedopsiquiatra Peter Adriaenssens.

O responsável presidiu à comissão que recolheu testemunhos de 475 pessoas abusadas ou de familiares destas, apresentando-os ao longo de 200 páginas, nas quais se conta também que seis pessoas tentaram o suicídio.

Ex-provedor que promoveu Bibi já foi à festa da Casa Pia

Luís Rebelo foi demitido de provedor em finais de 2002, quando foi revelado o caso de abusos sexuais com jovens da Casa Pia.

O então ministro da tutela, Bagão Félix, decidiu afastá-lo por suspeitas de que protegera Carlos Silvino (’Bibi’): nos anos 90, e apesar das queixas que já conhecia, Rebelo promoveu Silvino de jardineiro a motorista, dando-lhe assim os meios e o livre acesso a todos os colégios da Casa Pia. No passado dia 3 de Julho, Rebelo participou nas cerimónias dos 230 anos da Casa Pia, o que constitui «uma gravíssima questão simbólica» – salienta Catalina.


Nota de bloguista: é a vergonha que vai ás festas!! é a vergonha que saí nos jornais!!

O escândalo lá fora

O tema é a abertura da secção Mundo da edição internacional do jornal britânico. "Culpados após um julgamento de seis anos, rede de pedofilia da alta sociedade portuguesa", é o título. O autor do artigo escreve que, para a rede pedófila de elite, os orfanatos geridos pelo Estado eram "supermercados cheios de crianças para abusar". No texto há ainda referência ao desaparecimento de Maddie: "As condenações, oito anos após o escândalo ter sido revelado, são uma grande vitória para a polícia portuguesa, sob fortes críticas em relação à forma como lidou com a investigação ao desaparecimento de Madeleine McCann." Numa caixa intitulada "o escândalo que foi mesmo até ao topo", destacam-se três condenados: o médico Ferreira Diniz, o ex-embaixador Jorge Ritto e o antigo apresentador Carlos Cruz.

O jornal britânico titula "Estrela de televisão portuguesa condenada com outros cinco por abusar de rapazes num orfanato gerido pelo Estado", colocando uma fotografia de Carlos Cruz. Tal como no The Independent há uma referência a Maddie, que inclui mesmo uma fotografia da menina desaparecida na Praia da Luz. No texto, recorda-se que o caso "já estava a ser julgado em 2007 na altura em que o desaparecimento da menina de três anos fez manchete em todo o mundo" e que só trouxe "ainda mais indignação em relação à lentidão do sistema legal português".

"Portugal: epílogo para o escândalo da Casa Pia", escreve o jornal francês. "Quase mil testemunhas e peritos ouvidos, inúmeros recursos e seis anos de audições... Foi o processo judicial mais longo da história de Portugal", lê-se no texto. O jornalista cita uma das vítimas, que há quatro anos foi viver para França, mas não quis deixar de estar presente na leitura da sentença: "Eles destruíram a minha vida. Era preciso que eu estivesse aqui hoje."

Na edição online em inglês da rádio e televisão alemã recorda-se que chegou ao fim um mediático caso de abusos sexuais que mudou a sociedade portuguesa. "O escândalo sexual é visto como tendo destruído o tabu da discussão aberta de abusos de crianças em Portugal, depois de o País ter ficado chocado ao ouvir as alegações de que membros da sua elite tinham abusado de crianças que viviam numa das mais velhas e respeitadas instituições públicas", lê-se no texto.

Documento sobre Cândida Almeida é falso


O departamento policial inglês que investigou o caso Freeport confirmou às autoridades judiciais portuguesas a falsificação de um documento interno em que a coordenadora do Departamento Central de Investigação e Acção Penal, Cândida Almeida, era visada.

O Serious Fraud Office realizou uma investigação interna à autenticidade do documento. Nele eram citados os procuradores Vítor Magalhães e Paes de Faria a contestarem a presença de Cândida Almeida numa reunião no Eurojust com os investigadores dos dois países.

Segundo o documento, que foi publicado pelo «Diário de Notícias» a 8 de Agosto, os portugueses não confiariam na sua hierarquia. O departamento inglês garante agora que o texto foi forjado.

De referir, ainda, que a 11 de Agosto, Cândida Almeida, Vítor Magalhães e António Paes Faria publicaram um direito de resposta link externo no «Diário de Notíciais» em que desmentiam os dados concretos da notícia. A direcção do jornal não respondeu.

quinta-feira, 9 de Setembro de 2010

Reportagem russa sobre as dificuldades na vida familiar de Alexandra



Nota de bloguista: só existe um único comentário a fazer: isto é a porcaria de justiça que nós temos.

Arguido comeu sabão azul e branco para interromper interrogatório



Hugo Marçal revela que comeu sabão para interromper um interrogatório do juiz Rui Teixeira. No livro que vai lançar amanhã, intitulado "Sabão Azul e Branco", o arguido do processo da Casa Pia confessa que o fez para ganhar tempo e evitar a prisão preventiva.


Nota de bloguista: nem que ele comesse uma tonelada de sabão conseguiria lavar os pecados/crimes que cometeu!!

Casa de Sócrates no registo predial, não passa de um simples apartamento.


Na verdade trata-se de uma casa senhorial no coração de Lisboa.

São cinco assoalhadas dum 3º andar no edifício Heron Castilho. Tem 150 metros quadrados, avaliados em 800.000 euros, que custaram em Fevereiro de1996, 240.000 euros. Antes vivia num modesto apartamento T2 na calçada Eng. Miguel Pais, em São Bento. Na garagem tem um Mercedes C230. Longe vão os tempos em que conduzia um modesto Rover 111. Além disto frequenta restaurantes caros e usa fatos de marca. Como pode Sócrates viver como um homem rico, com 82 mil euros brutos (57 mil líquidos) que declarou ao Tribunal Constitucional ganhar por ano? Diz não ter rendimentos de quaisquer empresas, acções ou planos de poupança. O único
património que diz ter é o carro, a casa e ordenado.

Esqueceu-se de dizer que foi sócio da Sovenco? Sociedade de Venda de Combustíveis Lda., com sede na Reboleira, Amadora, em que está registado na matrícula da sociedade. No seu site Sócrates Carvalho Pinto de Sousa, não consta este pormenor.

Segundo fontes, o Ministério Público está a investigar os investimentos governamentais efectuados nas áreas do tratamento de resíduos urbanos, e a sua relação com o financiamento de actividades partidárias, durante o período em que José Sócrates exerceu funções governativas (Ministro do Ambiente de António Guterres).

Uma das principais dúvidas recai sobre o processo de adjudicação do concurso para o sistema da recolha e tratamento de resíduos do Planalto Beirão.

A Sovenco, criada em 1990, era uma Sociedade de Venda de Combustíveis. A sua constituição: Armando Vara, Fátima Felgueiras, José Sócrates, Virgílio de Sousa. Sócrates finge, agora, não se lembrar dessa sociedade que fez. E porque se tenta ele esquecer?

Porque:

*Armando Vara* - condenado a 4 anos de prisão (pena suspensa); no entanto recebeu o prémio do amigo José Sócrates, e agora é ADMINISTRADOR DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, com 20.000,00 euros por mês, mais extras.

*Fátima Felgueiras* - andou foragida da Justiça no Brasil dois anos; HOJE É ELEITA PRESIDENTE DE CÂMARA DE FELGUEIRAS, e tem imunidade parlamentar.

*Virgílio de Sousa* - condenado a prisão por um processo de corrupção no Centro de Exames de Condução de Tábua.

Compreende-se que Sócrates não se queira lembrar. Que "ricos" amigos, hein?...Como é mesmo aquele provérbio?...
"Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és!"
Sócrates já não se lembra...Convém que o pessoal não se esqueça!!!

José Maria Martins acusa Carlos Cruz de "perturbar a ordem e tranquilidade públicas"

José Maria Martins, um dos advogados de Carlos Silvino, acusou Carlos Cruz de "perturbar a ordem e a tranquilidade públicas".

"Qualquer outro arguido que não teve os apoios que Carlos Cruz tem já estava preso", afirmou, acrescentando que "uma coisa é a liberdade de expressão, outra coisa é este show".

Nas palavras de José Maria Martins, proferidas aos jornalistas ao chegar ao Campus de Justiça de Lisboa, Carlos Cruz "não é uma estrelinha no país, parece que é uma Virgem Maria que chega aqui".

A Justiça e o Trágico

No processo Casa Pia, a justiça realizou-se: proferiu-se um veredicto condenatório, chegando ao fim a primeira etapa de um caminho que ainda vai ser longo. O primeiro acto está cumprido, dentro das regras legais e constitucionais. Só o tribunal e aqueles juízes podiam no nosso Estado de Direito fazer justiça às vítimas, aos arguidos

Os portugueses podem ficar descansados que na sentença do processo Casa Pia está lá tudo: os factos provados e não provados, a fundamentação de facto e de direito, a convicção do julgador e as penas em que cada arguido foi condenado.

Servir-se da ‘Súmula’ para cavalgar mediaticamente sobre a justiça é que não é aceitável num Estado de Direito. O problema não foi a ‘Súmula’, mas sim a condenação em prisão efectiva.

Agora, ninguém pode esquecer que houve vítimas, jovens que foram brutalmente abusados que estavam à guarda do Estado. Os criminosos, com a condenação dos arguidos,

Carlos Mota e «Bibi» conheceram-se numa oficina

Logo nas primeiras conversas entre o Port
ugalDiário e as testemunhas, o que era descrito apontava para que o «motorista» de Carlos Cruz, como os adolescentes lhe chamavam, soubesse dos alegados crimes cometidos pelo apresentador. Pelo menos, foram relatadas várias «viagens» em que era sua responsabilidade ir buscar os alunos e ex-alunos da instituição para os encontros.

Foi na carta que enviou ao juiz Rui Teixeira, em Fevereiro de 2004, que Carlos Silvino denunciou pela primeira vez Carlos Mota - entre outros nomes - e afirmou ter conhecido Carlos Cruz por seu intermédio nos pastéis de Belém.

Mas como se conheceram «Bibi» e Carlos Mota? Segundo o PortugalDiário apurou, Silvino e Mota ter-se-ão conhecido numa oficina de motas que existia em frente à Casa Pia. Há largos anos o stand de automóveis, agora existente em frente ao colégio de Pina Manique, era uma oficina de motorizadas. O ex-secretário de Carlos Cruz tinha uma moto e era aí que a mandava arranjar. O proprietário da oficina, amigo de ambos, terá feito as apresentações.

Carlos Mota já terá sido visto no Brasil, na Escócia e na Bélgica, em Bruxelas. Como não há nenhum crime pelo qual possa ser indiciado, as autoridades não podem fazer nada. Só se fosse constituído arguido num processo poderia ser emitido um mandado de captura internacional. Apesar de, até ao momento, não haver factos concretos que permitam novos desenvolvimentos, as investigações prosseguem e novas ocorrências podem ser comunicadas às autoridades.

o ex-funcionário da Casa Pia terá mesmo afirmado que Mota sabe muito mais que ele.



SIC emite entrevista exclusiva a Casa pia

A última vez que se ouviram palavras de Carlos Mota foi à porta de uma prisão.

"É assim se o Carlos é pedófilo, então eu também sou", afirmou em Fevereiro de 2003,dentro do carro, Carlos Mota, o assistente do apresentador de televisão.

Mota tinha acabado de visitar o arguido, detido desde a véspera no estabelecimento prisional da Polícia Judiciária, em Lisboa. Estávamos a 1 de Fevereiro de 2003. Cinco dias depois, Carlos Mota desapareceu.

Nunca mais foi visto, nem a justiça portuguesa o conseguiu encontrar. Aliás os mandados para localizar Carlos Mota , começaram a ser emitidos muito antes do processo Casa Pia, em 1974, na sequência de uma outra investigação.

A 1 de Fevereiro de 2003 a SIC noticiou as acusações de atentado ao pudor e violação de duas meninas, de 7 e 8 anos, por Carlos Mota. Uma semana depois da detenção de Carlos Cruz a notícia dava conta de uma investigação iniciada em 1974. À data, Carlos Mota trabalhava como inspector de seguros. Estava hospedado numa pensão de Odemira, no quarto número 5, onde terá abusado durante 3 dias consecutivos de duas meninas, com 7 e 8 anos de idade; filhas do proprietário e de um empregado.

Foi o pai de uma delas que apresentou queixa à GNR, em Julho desse ano, quando as crianças acusaram Carlos Mota, depois de terem sido vistas por um especialista em medicina legal.

quarta-feira, 8 de Setembro de 2010

Duarte Lima é a pista que resta à polícia


Na Barra da Tijuca, o bairro mais chique da cidade, a divisão de homicídios da polícia do Rio de Janeiro tem sido cautelosa quando fala de Domingos Duarte Lima.

Mas embora Felipe Ettore, o coordenador da equipa de 250 inspetores, se tenha recusado a usar a expressão "suspeito", o advogado português é neste momento a única pessoa que está a ser investigada a fundo pela polícia brasileira, na tentativa de descobrir quem mandou matar Rosalina Ribeiro. O Expresso apurou que todas as investigações sobre outras pessoas foram postas de lado.

Os negócios de Duarte Lima em Portugal e no Brasil estão a ser escrutinados. O objetivo é apurar se existe uma ligação entre os interesses económicos do advogado e as ramificações da herança de Tomé Féteira, o milionário que foi companheiro de Rosalina.

"Temos conhecimento de uma empresa imobiliária no Ceará, da qual o doutor Duarte Lima é sócio", admite uma fonte da investigação. "Mas ainda não determinámos qualquer relação com o processo."

Foco no advogado português


O foco sobre o advogado português intensificou-se depois de as pistas por ele fornecidas às autoridades terem sido exploradas até ao fim e se terem revelado inconsistentes. O ex-deputado tinha contado à polícia o que preocupava Rosalina no dia em que foi assassinada, a 7 de dezembro de 2009.

Na reunião de meia hora com a cliente, numa lanchonete do Rio, fora informado de um esquema de desvio de dinheiro da herança Féteira, envolvendo um funcionário da fazenda Pedra Grande, em Maricá, e da SEAI, empresa que gere o património do milionário no Brasil.

Na versão de Duarte Lima, Rosalina descobrira que metade dos rendimentos de exploração da fazenda estaria a ser depositada numa conta do funcionário Joaquim Sousa Dias, com a cumplicidade de Arlindo Guedes, potencial comprador da parte da herança de Rosalina.

"A vida de Joaquim foi esmiuçada desde o dia em que nasceu". Não foram detetadas transferências nem nada suspeito. "É um empregado da SEAI, um peão, não tem autonomia".

Ao Expresso, Joaquim recusou-se a prestar esclarecimentos. O antigo motorista de Tomé Féteira limitou-se a dizer que toda a gestão do espólio do ex-patrão "é responsabilidade da engenheira Olímpia", filha do milionário.

Também Arlindo foi investigado. Sócio e gerente da empresa que explora a fazenda de mil hectares, em Maricá, foi encarado de início como um suspeito natural. Conheceu Rosalina em setembro, aproximou-se dela e era um dos dois potenciais compradores de parte da herança - o outro interessado na aquisição da parcela da fortuna é uma personagem misteriosa de nome Gisele, que ainda não deu sinais de vida e com quem Duarte Lima disse ter deixado a sua cliente minutos antes de ela morrer.

No dia seguinte à morte de Rosalina, o empresário Arlindo pediu a um taxista para ir ao prédio onde a portuguesa vivia, porque não conseguia contactá-la e tinham ficado de combinar um encontro em Portugal. "Se tivesse algum tipo de participação no crime de Maricá não iria chamar a atenção sobre ele. Muito menos enviar alguém lá", refere a mesma fonte da polícia brasileira. Oito meses depois, Arlindo é mais um nome descartado pelas autoridades.

Uma carta de 20 perguntas


Ainda de acordo com Duarte Lima (que se recusou a prestar declarações ao Expresso). as irregularidades financeiras tinham sido descobertas por Rosalina depois de idas recentes ao cartório de Maricá, onde tinha bons contactos. O notário responsável do cartório onde estão registadas as propriedades da família, no município vizinho do Rio de Janeiro, desmente-o.

"Conhecia a senhora Rosalina e o doutor Féteira há muitos anos. Costumavam vir juntos. Mas não a via há bastante tempo", diz Ayrthon Dias. "Da última vez, há mais de cinco anos, esteve cá com um advogado que usava rabo-de-cavalo, para saber informações." Ayrthon já foi ouvido como testemunha.

Afastadas as pistas descritas por Duarte Lima, a polícia voltou ao ponto de origem. "Há um monte de gente que tem motivos para o crime mas nós não nos vamos dispersar. O essencial neste momento é perceber o encontro entre a senhora Rosalina e o seu advogado. É daí que temos de partir", esclarece um elemento da divisão de homicídios da polícia carioca.

Os investigadores querem saber detalhes que consideram essenciais para esclarecer o crime: "O dr. Duarte Lima não nos disse ainda onde alugou o carro que usou no Brasil. Nem qual foi o local de encontro exato combinado com a cliente." Além dessas, há mais de vinte perguntas que deverão chegar dentro de dias a Portugal numa carta rogatória. E que poderão dar início a uma nova fase do caso.

Carlos Cruz vai divulgar nomes referidos pelas testemunhas

Carlos Cruz garante que, até ao fim do mês, vai colocar no seu site cerca de 200 nomes referidos pelos alunos da Casa Pia como abusadores. Estes nomes terão sido revelados aos investigadores, durante a fase de inquérito, como alegados abusadores de menores pelos jovens casapianos.

Em entrevista ao jornal "I", o antigo apresentador de televisão afirma que da lista de figuras públicas constam um antigo Presidente da República, um antigo líder do PS, um antigo líder do PSD, um antigo líder do CDS, dois atuais líderes partidários, outros destacados políticos ligados ao CDS, atores de televisão e teatro, dois ex-futebolistas internacionais pela seleção nacional, entre muitas outras personalidades relevantes da sociedade portuguesa.

"O que estranho, é que estas pessoas, muitas delas referenciadas por alegadas vítimas e, inclusive, por indivíduos que também me acusam, nunca tenham sido sequer constituídas arguidas e interrogadas pelas autoridades. Então os testemunhos são válidos só para algumas pessoas?",

segunda-feira, 6 de Setembro de 2010

Vítimas temem pelas suas vidas depois da sentença

As palavras de Manuel Abrantes e de Car
los
carlos Cruz estão a deixar alguns dos ex-casapianos com medo. O ex-provedor adjunto diz que vai fazer uma verdadeira "caça ao homem".

As vítimas do processo Casa Pia - que sexta-feira ouviram a sentença com muito "alegria" - temem agora pelas suas vidas e pela sua integridade física. A garantia é dada ao DN pelo advogado e ex- -casapiano Pedro Namora. "Os jovens estão com medo de serem vítimas de agressão por parte dos arguidos", diz o advogado. Isto logo a seguir às palavras ditas por alguns arguidos - nomeadamente Manuel Abrantes - depois da leitura do acórdão, entendidas pelos jovens como "ameaças". "As palavras de alguns arguidos e a reacção às condenações, como a de Carlos Cruz, está a assustá-los", diz Pedro Namora.

Contactado pelo DN, Álvaro de Carvalho, o psicólogo que trabalhou na Casa Pia de Lisboa (CPL ) até há dois anos e que sempre acompanhou a maioria das vítimas deste processo, defendeu que há, de facto, jovens que "me deixam preocupado e cuja estabilidade emocional não é semelhante a outros". Um deles - que esteve presente na sessão de julgamento -, mas na assistência, encontra- -se "numa fase muito difícil".

Logo após a leitura da decisão final por parte de Ana Peres, alguns arguidos - revoltados com o que consideraram penas pesadas - ameaçaram que, a partir de agora, a sua atitude ia ser outra. O mais duro, Manuel Abrantes, ex-provedor adjunto da Casa Pia de Lisboa, condenado a cinco anos e nove meses de prisão efectiva, defendeu que, "a partir de agora, a minha atitude vai ser outra. Sempre me comportei muito bem com este tribunal, agora vou deixar de o fazer", disse à saída do Campus de Justiça. "E alertou: vou agora fazer uma verdadeira caça ao homem a quem destruiu a minha vida."

domingo, 5 de Setembro de 2010

Casa Pia - alegações "finais" (TVI)


Carlos Cruz, o cómico @ 2010

Processo pode durar ainda vários anos

Processo Casa Pia está longe de conhecer decisões definitivas. E até esse momento podem decorrer ainda vários anos. Há vários recursos em perspectiva, que chegarão, certamente, ao Supremo Tribunal de Justiça e até, eventualmente, ao Tribunal Constitucional.

Vítima da Casa Pia diz que lhe ofereceram dinheiro para sair do país

Francisco Guerra, uma das testemunhas do processo Casa Pia, garante que conhecia todos os principais arguidos e que até lhe chegaram a oferecer dinheiro para sair do país. Numa entrevista ao Jornal de Notícias, esta vítima de abusos, que só resolveu dar a cara depois da leitura do acórdão, diz também que valeu a pena esperar tantos anos para que se fizesse justiça.

Casa de Elvas

Testemunhas que condenaram Carlos Cruz não foram consideradas credíveis em relação a Paulo Pedroso.

As duas vítimas cujos depoimentos foram fundamentais para condenar Carlos Cruz por três crimes de abusos sexuais de menores foram consideradas como não credíveis quando acusaram Paulo Pedroso pelos mesmos actos na casa de Elvas. Foi à volta desta habitação que grande parte do processo da Casa Pia girou.

De acordo com o resumo do acórdão do processo da Casa Pia, que ontem foi disponibilizado aos jornalistas, Carlos Cruz foi condenado por abusos sexuais em relação a duas vítimas: L. M. e L. N. Os abusos, considerados provados sobre a primeira vítima, dizem respeito a uma casa na Avenida das Forças Armadas, em Lisboa. Quanto ao segundo jovem, o tribunal deu como provado que o ex- -apresentador abusou sexualmente dele na casa de Elvas, propriedade de Gertrudes Nunes, única arguida absolvida de todos os crimes.

A convicção do tribunal alicerçou-se nos depoimentos dos dois jovens. Porém, na fase anterior ao julgamento, ambos foram ouvidos pela juíza de instrução, Ana Teixeira e Silva, que não valorizou da mesma forma os seus depoimentos em relação ao então arguido Paulo Pedroso. A testemunha L. N. também acusou Paulo Pedroso de abusos sexuais, precisamente, na casa de Elvas.

Factos de Gertrudes foram provados

Advogado das vítimas alerta para “absolvição técnica”. Miguel Matias lembra que dona da casa de Elvas só foi absolvida devido a alteração na legislação e promete analisar questão com o “máximo cuidado”.

nota de bloguista: esta casa em Elvas é e ficará para sempre como um monumento!!! Um monumento para fazer lembrar todas as pessoas que por lá passem que ali e em outros locais do país se praticam actos bárbaros contra as crianças do nosso país. Esperemos que o povo não tenha memória curta!


VEJA AQUI UM HISTÓRICO SOBRE O CASO.





Advogado de Bibi acusa PS de envolvimento na Casa Pia

José Maria Martins, o advogado de Carlos Silvino, em entrevista ao TVI24, fala em interferência do Partido Socialista no processo Casa Pia e defende que Ferro Rodrigues, Jaime Gama e Paulo Pedroso deviam ter sido julgados.

O advogado garante que Ferro Rodrigues e Jaime Gama só não chegaram a ser acusados por prescrição dos crimes.





Veja vídeo aqui.

Mais uma "cabala" desmontada

Casa Pia: Relação condena jornalista Inês Serra Lopes por favorecimento pessoal no caso do sósia de Carlos Cruz

Lisboa, 06 Jan (Lusa) - O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) condenou a jornalista Inês Serra Lopes a um ano de prisão pelo crime de favorecimento pessoal na forma tentada no caso do alegado sósia de Carlos Cruz, arguido no processo Casa Pia.

Um acórdão do TRL, a que a Agência Lusa teve acesso, revoga uma decisão anterior que absolveu a directora do extinto semanário "O Independente" e dá razão a um recurso do Ministério Público (MP), que considerou que a sentença proferida em 20 de Dezembro de 2007 não estava "devidamente fundamentada, nem de facto, nem de direito" e que havia "erro notório na apreciação da prova".

A Relação de Lisboa refere que Inês Serra Lopes mostrou à ex-funcionária da Casa Pia Ana Paula Valente fotografias de um antigo funcionário da RTP, explicando que se tinha reformado por razões psiquiátricas, gostava de se fazer passar pelo apresentador de televisão Carlos Cruz e ter-se-ia separado da mulher porque "andava com miúdos".

Diz ainda que a jornalista pediu a Ana Paula Valente que fosse entregar as fotografias ao Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa a fim de serem "juntas ao processo Casa Pia". Segundo o TRL, em acórdão proferido em Dezembro passado, a jornalista quis "criar no espírito dos magistrados e órgãos de polícia criminal (OPC) (...) dúvida séria" sobre se teria sido Carlos Cruz ou o alegado sósia a praticar os crimes que estavam a ser investigados, por "ter havido erro de identidade quanto ao autor dos factos".

Menciona ainda que Inês Serra Lopes não conseguiu o que pretendia porque Ana Paula Valente revelou à Polícia Judiciária (PJ) que tinha sido a então directora do "O Independente" e filha de António Serra Lopes, um dos defensores de Carlos Cruz, a entregar-lhe as fotografias.

Além disso, um programa da SIC, emitido a 13 de Fevereiro de 2003, denunciou a actuação da arguida, tendo Carlos Cruz sido acusado (e depois pronunciado) pela prática de vários crimes de abuso sexual enquanto o alegado sósia "nem sequer foi constituído arguido".

Segundo o acórdão, a pena de prisão de um ano aplicada a Inês Serra Lopes não é passível de suspensão "face à inexistência de primaridade, confissão ou arrependimento" da arguida por "contraposição à gravidade dos factos apurados".

Contudo, a pena de prisão poderá "ser substituída por prestação de trabalho a favor da comunidade desde que se verifique aceitação da arguida".

No acórdão refere-se também que Inês Serra Lopes quis "frustar e iludir" a investigação das autoridades judiciárias competentes e dos OPC, a "fim de conseguir que Carlos Cruz pudesse ver alterado o regime de prisão preventiva em que se encontrava e evitar que ao mesmo arguido fosse ou viesse a ser aplicada uma pena".

A Lusa tentou obter um comentário da jornalista, designadamente se vai recorrer da decisão da Relação, mas tal não foi pos

Veja aqui.

Mais uma vitória das vítimas

O Tribunal da Relação de Lisboa indeferiu um recurso de Paulo Pedroso contra ‘João A.', ex-aluno da Casa Pia que envolveu o deputado no processo de pedofilia da Casa Pia. O socialista acusou o jovem de difamação, devido à entrevista dada pelo mesmo à TVI no dia da sua detenção, acusando também Manuela Moura Guedes e José Eduardo Moniz.
Os arguidos não foram pronunciados e Pedroso recorreu para a Relação, que agora confirmou a decisão, considerando mesmo como credíveis as declarações do ex-aluno que garantiu ter sido abusado pelo socialista.

'O arguido apresentou a prova que lhe competia, ou seja, a única de que dispõe: o seu relato, coerente e não desmentido por prova objectiva, dos factos de que foi vítima, depoimento esse que se mostra em grande parte corroborado pela prova pericial', lê-se no acórdão a que o CM teve acesso, datado de 21 de Janeiro.

Os desembargadores concluíram que a entrevista foi conduzida por Moura Guedes com 'cuidado', que era de 'inquestionável interesse público' e que o jovem respondeu 'de forma directa e espontânea'.

Na entrevista em causa, ‘João A.' Referiu conhecer Paulo Pedroso da casa do embaixador Jorge Ritto, onde garante ter sido violado pelo ex-arguido do processo Casa Pia.

Para o advogado do jovem, Alexandre Vieira, a decisão da Relação 'é a confirmação de que ‘João A' nunca mentiu'.

sábado, 4 de Setembro de 2010

Recursos vão manter arguidos em liberdade

Prisão efectiva para seis dos sete arguidos do processo da Casa Pia, acordou ontem o tribunal que julgou o caso durante quase seis anos. Nenhum dos condenados vai, no entanto, para a cadeia. Pelo menos, para já. Os seus advogados já revelaram que vão recorrer da decisão e, como manda a lei, o recurso tem efeito suspensivo da pena, a não ser perante factos concretos como, por exemplo, perigo de fuga, que levem à aplicação da prisão preventiva.


Nota de bloguista: como se pode perceber o tribunal não considerou que estes senhores são perigosos o suficiente para fugirem. Pois claro que assim será verdade pois enquanto houver recursos e mais recursos eles nem precisam de fugir. Só precisam é de esperar, esperarem todos pela prescrição. É a vergonha nacional!

Ordem dos Médicos reactiva processo disciplinar contra Ferreira Diniz

Fonte da Ordem dos Médicos revelou que este organismo vai agora debruçar-se sobre o acórdão conhecido na sexta feira no Campus da Justiça, em Lisboa, para apurar se os crimes de que Ferreira Diniz é acusado e pelos quais foi condenado foram cometidos servindo-se da sua condição profissional.

O processo na Ordem dos Médicos também leva o seu tempo e apenas se o conselho disciplinar regional defender no despacho de acusação a suspensão do médico é que este poderá ser impedido de exercer medicina antes de o caso chegar ao Conselho Nacional de Disciplina, órgão presidido pelo bastonário. Ferreira Diniz foi condenado a sete anos de prisão por quatro crimes de abuso sexual de menores dependentes e pornografia de menores. Foi ainda condenado a indemnizar, por danos morais, três das vítimas em 25 mil euros cada uma.

Para o bastonário da Ordem dos Médicos, "o abuso das funções de médico para seu beneficio pessoal, nomeadamente no âmbito sexual e ainda mais utilizando crianças, a quem os médicos têm obrigação de proteger, é uma violação inaceitável, completamente inqualificável do exercício da medicina". "Gostaria que essas pessoas deixassem de ser médicos, pois a medicina é uma prática que não se compadece com um crime hediondo como é a pedofilia", concluiu.

Nota de bloguista: queria só deixar aqui um apontamento. Concordo com o facto de se proibir o exercício de medicina a pessoas que foram alvo de processos judiciais graves, mas devo fazer a ressalva de que pessoas como o bastonário não são as mais indicadas para virem publicamente apontar o dedo. Clique nesta imagem e veja o porquê.

Felícia Cabrita, um ex-professor e dois ex-casapianos

Resumo do Acordão do Colectivo de Juízes






Nota de bloguista: não está na súmula mas está neste vídeo. Para saber a que me refiro leia o comunicado e veja o vídeo e consulte ainda este site: http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1654564

Casa Pia documentário TVI (1/7)

Casa Pia documentário TVI (2/7)

Casa Pia documentário TVI (3/7)

Casa Pia documentário TVI (4/7)

Casa Pia documentário TVI (5/7)

Casa Pia documentário TVI (6/7)

Casa Pia documentário TVI (7/7)

sexta-feira, 3 de Setembro de 2010

Testemunha-chave dá a cara e diz que "valeu a pena" (ACTUALIZADA)



Francisco Guerra, testemunha-chave do processo Casa Pia, decidiu dar a cara hoje após a leitura da sentença pelo colectivo presidido por Ana Peres. E afirmou que se "fez justiça". "Este foi um dia muito importante para mim", afirmou Guerra aos jornalistas. "Finalmente as pessoas estão a perceber que vale a pena confiar na justiça e valeu a pena estes oito anos de sacrifícios". Quanto às penas aplicadas aos arguidos, Francisco Guerra disse ter sentido "um alívio muito grande". "Senti um alívio não só por mim mas por todos os alunos da Casa Pia", afirmou. Guerra disse ainda duvidar que Carlos Silvino tenha contado tudo o que sabe: "Penso que ele não disse tudo".


Nota de bloguista: é de elogiar a coragem destes jovens, estes que dão a cara e os outros que publicamente não são conhecidos, pois esta coragem é reveladora de UMA verdade inquestionável.