segunda-feira, 22 de outubro de 2012

PJ investiga rede internacional de branqueamento de capitais envolvendo ex-espião do SIS

A Polícia Judiciária investiga uma rede internacional de branqueamento de capitais, que coloca um ex-agente da SIS como pivô,
Foram os resultados apurados pelas escutas telefónicas recolhidas durante a uma investigação a uma rede de apoio ao IRA que levaram a este caso, onde estão a ser alvo de investigação empresários, advogados, bancos, um antigo agente dos Serviços de Informações e Segurança (SIS) e carros carregados com milhões de dólares para serem trocados em euros e comissões para os facilitadores.
As escutas põem na lista da frente dos suspeitos de esquemas de branqueamento de capitais, envolvendo enormes quantias de dinheiro, vindas de fora do país, um espião da SIS que foi demitido na sequência do caso do IRA no Algarve.
Segundo o apurado numa das primeiras conversas telefónicas, J.N., o ex espião da SIS, confirma a um empresário de Setúbal, Carlos Cardoso, que “o dinheiro já se encontra em Portugal num banco e que a operação é para avançar". Durante a conversa, são mencionadas comissões na ordem dos10%.
Contactado pelo “DN”, Carlos Cardoso confirmou que foi contactado por J.N. para um negócio envolvendo troca de dólares por euros que acabou por não ir para a frente.
Nas escutas apuraram-se também outras referências acerca de dinheiro vindo de fora, onde países árabes de Leste se mostraram muito interessados em trocar as divisas mencionadas.
Nas conversas telefónicas chegou-se também à conclusão que o dinheiro chegava a Portugal, transportado por carros. Numa das escutas que envolveu J.N. ouviu-se mesmo que um dos carros vinha “com cem milhões”.