terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Leonor Cipriano pode ser solta até ao Natal

Mãe de Joana, a criança assassinada em Figueira, Portimão, já cumpriu metade da pena e quer ir para casa. Leonor Cipriano assassinou a filha, Joana, de oito anos

12 DE SETEMBRO DE 2004 Joana , de 8 anos, desaparece da aldeia de Figueira, em Portimão. O desaparecimento deu-se por volta das 20:30, depois da menina ter saído para comprar leite e conservas. Pensava-se que a criança teria sido raptada.
21 DE SETEMBRO DE 2004 Leonor Cipriano é levada pela PJ de Portimão, para interrogatório. Suspeita-se já que Joana foi assassinada. O mecânico da sucateira onde trabalha o padrasto de Joana é constituído arguido. Este é indicado por ter ajudado a ocultar o corpo.
25 DE SETEMBRO DE 2004 Realizam-se várias buscas na tentativa de encontrar o corpo da criança. Leonor Cipriano fica em prisão preventiva, na cadeia de Odemira. Dois dias depois, o Tribunal decreta a prisão preventiva de João Cipriano , co-autor do crime.
12 DE DEZEMBRO DE 2004 Leonor e João Cipriano continuam em prisão preventiva, depois de terem sido encontrados novos indícios em suiniculturas. São encontrados têxteis e cabelos num terreno de porcos. A PJ suspeita que o corpo pode ter sido dado aos porcos.


Nota de bloguista :Que tristeza tão pouco tempo para um crime macabro como foi o da pequena joana jamais nos esqueceremos agora só falta esta mulher começar a receber o (rsi) como diz o outro temos pena(devia de ser no texas)