sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Narciso Miranda condenado a dois anos e dez meses de prisão


A suspensão da pena fica condicionada ao pagamento de 35.700 euros, o montante de que Narciso Miranda se apropriou indevidamente e que, segundo o processo, era proveniente de uma subvenção estatal à sua candidatura à Câmara de Matosinhos, em 2009, ano em que concorreu como independente.

“Os 35.700 euros foram para pagar obras feitas numa sede [de campanha] que ainda hoje existe e está a funcionar”, disse o ex-autarca aos jornalistas, à saída da sala de audiência do Tribunal de Matosinhos, distrito do Porto. 

Essa verba será entregue a uma instituição de apoio a pessoas com cancro, sediada no concelho de Matosinhos, por determinação do coletivo de juízes. Na leitura da sentença, foram evidenciadas as funções públicas que Narciso Miranda desempenhava, o que tornou a sua conduta "mais censurável".
A acusação entendia que o ex-autarca teria usado uma fatura falsa de obras num edifício para justificar a despesa.

O Tribunal de Matosinhos deu como provados os crimes pelos quais Narciso Miranda estava acusado: abuso de confiança e falsificação de documentos

Nota de bloguista: É só mais um trafulha da corja política deste país.