quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Senado dos EUA tem sessão tensa para confirmar secretário de Justiça


A democrata Elizabeth Warren lia, na noite de terça-feira, uma carta escrita em 1986 por Coretta King, viúva de Martin Luther King, com severas críticas ao senador Sessions, mas foi chamada a se silenciar.

O líder do Partido Republicano no Senado, Mitch McConnell, apelou a um artigo raramente usado no regulamento desta câmara, que veta comentários altamente críticos de um senador a outro para pedir que o discurso fosse interrompido.

Embora não seja raro que um senador faça objeções a declarações de outro membro desta câmara, o pedido para que Warren fosse interrompida e voltasse ao seu lugar constituiu um gesto muito poucas vezes visto no congresso americano.

A viúva de Luther King escreveu a carta quando Sessions era candidato a um posto de juiz federal no estado do Alabama. Segundo a carta, Sessions usava "o seu poder para intimidar e ameaçar eleitores negros".

A previsão é de que o polémico senador - o mais ferrenho defensor de uma linha dura contra os imigrantes - seja aprovado.

Veja aqui a leitura que Elizabeth Warren fez para o Facxebook.

Veja aqui um transcrito da carta.