quinta-feira, 10 de setembro de 2009

ministro italiano Prostitutas em troca de favores




O empresário italiano Gian-paolo Tarantini admitiu à Justiça italiana ter organizado 18 festas para o primeiro-ministro Silvio Berlusconi, para as quais contratou 30 jovens actrizes, estrelas de TV e prostitutas.

O objectivo era cair nas boas-graças de Berlusconi e obter em troca favores políticos e contratos públicos. 'Berlusconi não sabia que eu pagava às raparigas', garantiu.

Tarantini, que foi ouvido cinco vezes pelo juiz Giuseppe Scelsi entre 27 e 31 de Julho, confirmou tudo aquilo que já se sabia: que era ele quem organizava as festas com mulheres jovens no Palácio Grazioli, na Villa Certosa, e também no Centro Messeguet de Todi, um spa de luxo na Umbria, e que algumas das mulheres eram prostitutas de luxo. No total, Tarantini diz ter organizado 18 festas para Berlusconi entre Setembro de 2008 e Fevereiro de 2009, para as quais levou 30 mulheres, incluindo a prostituta Patrizia D’Addario e estrelas de TV e aspirantes a actrizes como Carolina Marconi ou Barbara Guerra. O esquema era simples: Tarantini pagava as despesas de estadia e deslocação das mulheres e, no caso de elas passarem a noite com Berlusconi, dava-lhes um 'bónus' de mil euros. 'Apresentava-as como minhas amigas, omitindo que lhes pagava', testemunhou, adiantando que esta foi a forma que usou para se aproximar de Berlusconi, pois sabia que ele não resistia a uma mulher bonita. Em troca, esperava obter favores políticos ou simples conhecimentos que lhe permitissem fazer negócios. 'Gastei imenso dinheiro até conseguir chegar a Berlusconi', confessou Tarantini.

MULHERES E COCAÍNA

Berlusconi não foi a única ‘vítima’ dos esquemas de Tarantini. Há anos que o empresário vem criando uma vasta rede de conhecimentos e 'associados políticos' usando não só mulheres, mas também drogas, como instrumento. 'A prostituição e a cocaína são a chave do sucesso na sociedade', admitiu o empresário em tribunal. Não fazia distinções entre esquerda ou direita: a ele interessava-lhe apenas chegar a quem estivesse no poder, fosse este local, regional ou, como no casode Berlusconi, nacional. A ligação com o primeiro-ministro serviu-lhe apenas – garante – para chegar a Guido Bertolazzo, chefe da Protecção Civil. 'Berlusconi apresentou--me e eu depois fui ter com ele para lhe apresentar um amigo meu. Não se passou mais nada', afirmou.

SAIBA MAIS

PALÁCIO GRAZIOLI

Foi na residência oficial do primeiro-ministro em Roma que decorreram algumas das festas organizadas por Gianpaolo Tarantini. As mulheres entravam sem ser revistadas.

30

mulheres, entre actrizes e prostitutas de luxo, terão sido contratadas por Tarantini para participar nas festas. Deviam levar 'vestidos negros curtos' e usar 'pouca maquilhagem'.

1000

euros é quanto a prostituta Patrizia D’Addario diz ter recebido de Tarantini por dormir com Berlusconi na noite das eleições presidenciais norte-americanas.

PROMESSA QUEBRADA

Berlusconi prometeu a D’Addario que a ajudaria a desbloquear um negócio imobiliário. Quando ele não cumpriu a promessa, ela foi para os jornais contar tudo.