sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Isaltino Morais nega crimes




Isaltino Morais negou a prática dos crimes pelos quais foi condenado a 3 de Agosto e contesta a sentença que lhe ditou sete anos de cadeia e a perda de mandato..



O presidente da Câmara de Oeiras foi condenado por um crime de corrupção passiva para acto ilícito, um crime de abuso de poder, um de fraude fiscal, um de branqueamento de capitais. Em cúmulo jurídico, o Tribunal de Sintra, onde decorreu o julgamento, condenou o autarca a sete anos de prisão e à perda de mandato.Isaltino Morais, que sempre reclamou inocência, não se conformou com a decisão e recorreu. No documento, entregue três dias do prazo legal, mediante o pagamento de coima, o advogado do autarca pede a apreciação da necessidade da aplicação da cadeia e nega os crimes de corrupção passiva e abuso de poder, alegadamente praticados por Isaltino Morais no exercício das suas funções polícias. No mesmo recurso, a defesa pede ainda a prescrição dos crimes de abuso de poder e corrupção passiva, segundo os quais o autarca terá usado o seu cargo para pressionar as autoridades de Cabo Verde a ceder-lhe um terreno na ilha de São Vicente.Recorde-se que a apresentação de recurso adiou o cumprimento da sentença. Isaltino Morais voltou a concorrer à Câmara de Oeiras e venceu por maioria.