quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Maitê Proença goza com Portugal

Brasil
DA IMPUNIDADE.






Lembram do cantor Alexandre Pires?
Atropelou, fugiu do local do acidente
sem prestar socorro à vítima, que veio a falecer,
mas foi absolvido por “falta de provas” pela nossa justiça.
Ou será injustiça?


Lembram do Jogador Edmundo?
Usando seu carro importado, matou e mutilou,
mas continua solto aguardando ser julgado pela justiça.
Ou será injustiça?


Lembram do jogador Guilherme?
Passou a noite na farra,
lotou seu carro de putas,
amigos e cervejas, matou um inocente.
Mentiu dizendo que não era o motorista,
com certeza para escapar do exame toxicológico,
mas continua solto por ordem da justiça.
Ou será injustiça?


Lembram do cantor Renner?
Dirigindo com velocidade acima do permitindo,
matou duas pessoas inocentes.
Mas continua solto aguardando julgamento
por ordem da justiça.
Ou será injustiça?


Lembram do cantor Belo?
Conversando por telefone com um
traficante de drogas, acertou
fazer um empréstimo para o mesmo
traficante poder abastecer a favela
de pó, ou “tecido fino”, em troca
receberia um fuzil AR15, ou tênis AR.
Está solto por força de um
habeas-corpus, concedido gentilmente
pela justiça.
Ou será injustiça?


Lembram do ex-senador Jader Barbalho?
Acusado de desviar milhões de reais da extinta
SUDAM, teve seu mandato cassado pelo seus pares.
Hoje é deputado federal,
continua solto aguardando julgamento pela justiça.
Ou será injustiça?


Lembram do roubo do TRT paulista?
O chefe da quadrilha era o juiz Lalau,
que hoje encontra-se descansando
em prisão domiciliar.
“Numa bela mansão”.
O restante da quadrilha foi absolvida
em sentença dada em véspera de final
de copa do Mundo.
O juiz responsável pelo processo era
Casem Mazloum, acusado de diversos
crimes pelo ministério público,
mas que continua solto aguardando
julgamento pela justiça.
Ou será injustiça?