sexta-feira, 15 de abril de 2011

Sexo no Hospital de Faro

Uma britânica, radicada no Algarve de 49 anos, diz ter sofrido "carícias sexuais" no peito e na vagina, contra a sua vontade, quando estava internada na Neurologia do HF e era doente do referido clínico. "Chamava-me para um gabinete, apalpava-me e acariciava-me. Na altura, estava muito vulnerável, tomando vários remédios. Não tinha reacção para acabar com a situação, que me incomodava", refere a queixosa, que afirma já ter sido ouvida pela Polícia Judiciária de Faro.

Quando teve alta, continuou o "assédio" por parte do médico, com quem teria relações sexuais. "Aproveitou--se da minha fragilidade e chegou a usar da força para satisfazer os ataques sexuais."