sábado, 20 de outubro de 2012

PJ apanha rede que lesou a Segurança Social em 500 mil euros



A Polícia Judiciária do Porto desmantelou, hoje, uma organização criminosa que, entre 2002 e 2009, lesou a Segurança Social em meio milhão de euros em subsídios indevidos por desemprego e doença. A rede constituída por duas dezenas de pessoas foi liderada durante sete anos por um técnico oficial de contas, detido hoje, tal como outros três homens e três mulheres, todos empresários ligados ao setor têxtil ou de serviços. A "Operação Justiça Social" envolveu no terreno mais de 60 inspetores e elementos afetos à Segurança Social, que verificaram que os requerimentos de subsídios e baixas não correspondiam às remunerações declaradas pelos contribuintes. Segundo a PJ, para baralhar a fiscalização das autoridades fiscais, as empresas envolvidas apresentavam no seu pacto social "pessoas sem ligação efetiva às empresas ou estrangeiros com elevada mobilidade territorial". Do esquema fraudulento, faziam ainda parte empresas fantasmas e sem laboração, embora legalmente registadas. A PJ e a Segurança Social calculam que os prejuízos efetivos se situam no meio milhão de euros, embora a rede tenha tentado burlar o erário público em cerca de três milhões de euros.

Lucros ocultados em contas dos arguidos

Os lucros da rede foram ocultados e dispersos por diversas contas bancárias dos arguidos, bem como na compra de bens móveis e imóveis. No âmbito desta ação coordenada pelo DIAP do Porto foram feitas dez buscas domiciliárias, quatro buscas em empresas e num gabinete de contabilidade, na Área Metropolitana do Porto e Famalicão. Durante a investida foram apreendidas quatro automóveis topo de gama, diversos computadores, muita documentação, telemóveis, uma caçadeira ilegal e uma pistola transformada.

Nota de bloguista: Agora vamos imaginar o que se passará nos outros pontos do país e mesmo esquemas internos que existem dentro da própria Segurança Social.