segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Vale e Azevedo é «um dos maiores burlões da história de Portugal»

O empresário Pedro Dantas da Cunha, que se considera «um dos muitos burlados» por Vale e Azevedo, e que ganhou um processo contra ele, acusou o ex-presidente do Benfica de ser «um dos maiores burlões da história».

O proprietário do imóvel no Areeiro (Lisboa), vendido por Vale e Azevedo sem consentimento de Dantas da Cunha, manifestou «extrema satisfação» pela sua extradição para Portugal, «para cumprir pena pelos crimes que cometeu».

«Espero que seja feita justiça para todas as vítimas de um dos maiores burlões da história de Portugal. Por isso, não falo só em meu nome, mas de todas essas dezenas de vítimas, muitas delas sem voz na Comunicação Social e sem meios económicos para recorrerem aos tribunais», salientou.

 Dantas da Cunha, que deu nome ao caso que condenou Vale e Azevedo a uma pena de sete anos e meio de prisão, afirmou estar convicto de que as vítimas «não vão receber um tostão» do arguido.

«Fruto dos seus esquemas e da sua mente 'maquiavélica', deverá ter escondido os milhões que roubou, mas, pelo menos, congratulo-me que as vítimas sejam recompensadas por assistirem que Vale e Azevedo ira pagar pelos crimes atrás das grades de uma cadeia», escreve na missiva.

No entender de Dantas da Cunha, Vale e Azevedo «destruiu a vida de muitas famílias em Portugal e no estrangeiro».
 
«Os familiares de todas estas vítimas não terão a mesma sorte e as mesmas regalias financeiras que a família de Vale e Azevedo terá, fruto dos seus crimes», concluiu.
 Vale e Azevedo é atualmente arguido num processo em julgamento no Campus da Justiça, em que é acusado de apropriação indevida de mais de quatro milhões de euros do Benfica, branqueamento de capitais, abuso de confiança e falsificação de documento e que terá na terça-feira a terceira sessão com a presença das testemunhas José Capristano e António Sala, elementos da direção de Vale e Azevedo.