quinta-feira, 30 de maio de 2013

Trabalhadores de cadeia de hotéis concentram-se em Lisboa em dia de greve

Cerca de 50 trabalhadores da cadeia de hotéis VIP estão hoje concentrados no Parque das Nações, em Lisboa, em protesto contra atrasos no pagamento de salários e subsídio de Natal e trabalho excessivo, disse à Lusa um sindicalista.De acordo com António Barbosa, do Sindicato de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Sul, os trabalhadores – que cumprem hoje um dia de greve – têm estado a chegar, desde a manhã de hoje, ao Parque das Nações, onde se estão a reunir para uma concentração de protesto.
“Pela informação dada pelos colegas que vieram de outros hotéis há gente ainda a chegar à manifestação e já lá estão cerca de 50 a 55 pessoas”, disse o sindicalista à agência Lusa, referindo que a greve do Metropolitano de Lisboa está a dificultar a reunião.
A greve nos hotéis VIP, convocada para os cerca de 700 trabalhadores das 10 unidades de Lisboa, ainda só colocou "dificuldades sérias no hotel do Parque das Nações", o VIP Arte, referiu o sindicalista
De acordo com António Barbosa, naquele hotel, a cozinha está sem serviço, já que apenas o ‘chefe’ compareceu ao trabalho.
A greve foi convocada devido ao atraso no pagamento do subsídio de Natal, os cortes salariais e queixas de trabalho excessivo.
“As reivindicações destes trabalhadores são o pagamento do subsídio de Natal - que só agora, depois de anunciada a greve, é que começaram a pagar a alguns trabalhadores – e [o protesto contra] um corte salarial em algumas categorias profissionais entre 5, 10 e 15% com a desculpa da crise”, explicou António Barbosa.
Além disso, acrescentou, “os trabalhadores não têm direito à categoria de trabalhador-estudante, os salários são sempre pagos a dias diferentes – já chegaram a pagar a 9 e a 10 [de cada mês] – e as pessoas queixam-se também do trabalho que estão a desempenhar porque chegam a ter duas pessoas para 34 quartos”.
A Lusa contactou a direcção da cadeia de hotéis, que se escusou a fazer qualquer declaração.

Nota de bloguista: Pois esta greve reivindica a reposição da percentagens retiradas dos salários descontados aos trabalhadores deste grupo  hoteleiro e pela exploração sobre-humana de excesso de trabalho por não quererem um quadro de pessoal de acordo com as necessidades da empresa,  também, o pagamento dos salários no final de cada mês e não quando a entidade patronal entende, e finalmente o pagamento dos subsídios de férias antes do gozo da mesmas e não no final como sempre acontece. Pena tenho que esta greve não tenha tido o destaque das cadeias de televisão, como por exemplo a METRO Lisboa