domingo, 2 de dezembro de 2012

Escutas abrem processo a farmácias


Suspeitas de favorecimento do Governo de Sócrates a associação. Caso começou com escutas da Face Oculta, que apanharam conversas entre Vara e Cordeiro.
O Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa está a analisar novos documentos sobre os negócios da Associação Nacional de Farmácias (ANF). Em causa estão suspeitas de alegados favores do Governo de José Sócrates à ANF, liderada por João Cordeiro em 2010.
as escutas a Armando Vara, no âmbito do processo Face Oculta, revelam que João Cordeiro pressionou Vara, amigo de José Sócrates, a contactar o então primeiro-ministro para que fosse aprovado em Conselho de Ministros um decreto que aumentava para 20% a margem de lucro das farmácias.
Essas conversas revelam, diz o CM, que João Cordeio considerava que a então ministra da Saúde, Ana Jorge, "não percebia um corno" da questão dos preços dos medicamentos e que o seu secretário de EStado, Francisco Ramos, estava a atrasar o diploma.